Numa noite de neblina, numa estrada, um automóvel dirigido por um médico chocou com outro, guiado por um advogado. Nenhum dos dois sabia precisar de quem fora a culpa, mas, como estivessem ainda aturdidos e nervosos pelo acidente, o advogado tirou uma pequena garrafa de uísque do porta-luvas do seu carro e ofereceu um trago ao médico.
O doutor, com mãos trémulas, pegou na garrafa e bebeu. Depois, passou-a ao advogado:
— O senhor não vai também beber um pouco para acalmar os nervos?
— Claro que vou — disse o advogado. — Mas só depois de a Brigada de Trânsito chegar.