Certo cliente expunha ao seu advogado uma questão em que não tinha sombra de razão, mas, querendo mostrar que a tinha, alongava-se em rodeios, metendo os pés pelas mãos…
O advogado interrompeu-o:
— Diga as coisas claramente; como são. Para as embrulhar, cá estou eu!