No domingo nada faço, porque sou fiel cristão;
na segunda, porque abraço da preguiça a profissão;
na terça não dou um passo, porque temo dá-lo em vão;
na quarta, porque o cansaço me obriga a ser mandrião;
na quinta, porque padeço duma afecção pulmonar;
na sexta, porque adoeço com medo de trabalhar;
no sábado, porque conheço que é preciso descansar.